Domingo, 11 de Novembro de 2007

Opps .... o segundo deslize.....

FC Porto escorrega na Reboleira

 

Estrela Amadora 2 - FCPorto 2

Nota importante: o FCPorto esteve a ganhar 0-2 .

ok?


Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007

Suem as camisolas!!!

 

Existem momentos que ser do FCP é ter vergonha. Hoje é um dia destes, mas com muito orgulho, mas a um clube com o curriculum do FCPorto, não se admite!!


Quarta-feira, 12 de Setembro de 2007

MAIS UMA VERGONHA!!

 

ENTÃO E AGORA ?

SCOLARI AINDA TEM DE CONTINUAR ?

 


publicado por mdl às 23:30
link do post | Comenta | Adicione aos seus Favoritos
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

Onde está um portista ... está a festa!!

 

Depois da festa do domingo passado, ex que chega a festa dita oficial (todas as são, onde exista um portista...). Por isso o nosso FCPorto realiza no próximo domingo um jogo com o Leixões vencedor da liga de Honra. Mas na minha opinião, o melhor é a homenagem aos "Tripeiros de Viena" protagonistas de um dos episódios mais marcantes da história do clube, em 1987, com a conquista da Taça dos Clubes Campeões Europeus, Por isso eu vou lá estar. Para agradecer estas alegrias todas!!!

Biba o FCPorto ! Biba Biba !!!!

 


publicado por mdl às 23:09
link do post | Comenta | Adicione aos seus Favoritos
Domingo, 15 de Abril de 2007

Académica 1 FCPorto 2

 

 RUMO AO TÍTULO!!!!!!!

 

O FC Porto venceu em Coimbra a Académica por 2-1, em jogo da 25ª jornada da Liga portuguesa de futebol, graças aos remates certeiros de Bruno Alves e Adriano, com Lino a reduzir para os "estudantes" através de uma grande penalidade.

Foi um resultado justo para a equipa que mais atacou e conseguiu também as melhores oportunidades de golo, graças sobretudo ao "motor" da equipa, Quaresma.

O FC Porto manteve a vantagem de quatro pontos em relação ao Sporting e seis em relação ao Benfica (menos um jogo), consolidando a sua posição de líder para revalidar o título de campeão nacional.

Os portistas nunca perderam no Estádio Cidade de Coimbra, estádio reconstruído para o Euro 2004, tendo alcançado desde então duas vitórias e apenas um empate.

A Académica, 13ª classificada, com 22 pontos após mais uma derrota, ainda não pode "respirar de alívio" no que se refere à manutenção na Liga portuguesa de futebol.

Na Académica, Manuel Machado operou uma verdadeira "revolução" na equipa inicial, tirando o habitual Roberto Brum e metendo para o seu lugar Vítor Vinha, enquanto na frente colocou dois pontas-de-lança, Joeano e Gyano, alinhando num esquema de 4x4x2. O avançado Cláudio Pitbull não pôde alinhar devido a lesão.

No FC Porto, em destaque esteve a entrada do central Ricardo Costa para o lugar do lesionado Pepe, em relação ao último jogo contra o Vitória de Setúbal.

Foi um início avassalador do FC Porto, já que o jogo teve sentido único durante cerca de meia hora. Foram inúmeras as oportunidades de golo criadas pelo campeão nacional.

Logo no primeiro minuto, Lucho queria repetir a proeza da véspera do avançado leonino Liedson e foi o poste da baliza de Pedro Roma quem se encarregou de defender o seu remate.

A seguir foi Ricardo Costa a cabecear ao lado (seis minutos), Ricardo Quaresma a atirar por cima da barra (oito) e Postiga a repetir a façanha (17).

Perto da meia hora, a Académica parecia equilibrar o jogo e começou a criar perigo através dos remates de Filipe Teixeira (26) e uma jogada de bom entendimento logo a seguir com Dame, Joeano e Lino a combinarem-se bem.

Era pura ilusão "estudantil", uma vez que o FC Porto puxou dos seus galões e se Postiga ameaçou aos 37, Quaresma logo a seguir centrou a bola que embateu no poste esquerdo de Pedro Roma.

Estava dado o mote para o golo inaugural de Bruno Alves, aos 42, que desferiu um remate certeiro, após a atrapalhação da defesa da Briosa que não conseguiu aliviar o esférico para longe da sua baliza.

Até ao intervalo, o FC Porto poderia ter ampliado a vantagem, não fosse um corte providencial de Káká, num cruzamento de trivela de Quaresma para o avançado Adriano.

Na segunda parte, o jogo decaiu no interesse e em produção ofensiva por parte das duas equipas.

Na Académica, saiu o ponta-de-lança Gyano para dar lugar ao "trinco" Roberto Brum.

O FC Porto controlou o resultado, arriscando menos, no entanto, coube-lhe ainda as melhores oportunidades de golo.

Lucho, aos 47 e Adriano, aos 50, poderiam ter ampliado, não fosse Pedro Roma a defender a primeira e Adriano atirar para as nuvens.

Após período morno e sem grandes motivos de interesse, como que a adormecer a equipa da casa, os "dragões" desferiram nova "estocada" pelo avançado Adriano, aos 70, que faz a recarga após o centro de Quaresma, o qual não foi aliviado pela defesa da casa.

A Académica, apesar do esforço, apenas conseguiu reduzir através de uma grande penalidade convertida pelo lateral esquerdo Lino, a castigar o derrube de Filipe Teixeira por Cech.

Já ao cair do pano, os campeões nacionais iam marcando pelo recém-entrado Reiteria que, em jogada individual, ia ampliando a vantagem da sua equipa, não fosse a oportuna intervenção de Pedro Roma.


publicado por mdl às 00:50
link do post | Comenta | Adicione aos seus Favoritos
Domingo, 8 de Abril de 2007

Venham mais cinco!!!!!!!!!!!!


F.C. Porto-V. Setúbal, 5-1
Robusta harmonia

Uma exibição robusta e estável compôs um desfecho dilatado, à medida do desempenho das duas equipas num jogo sentenciado em quatro tempos e enriquecido por múltiplas combinações, acrescidas da mestria de quem sabe o que faz e festeja com uma invejável sobriedade. Seguro e equilibrado, o campeão contribuiu com uma das goleadas mais amplas da Liga, superado apenas por si próprio. Em Aveiro, o F.C. Porto tinha vencido por 0-5.

Raros mas intensos, os primeiros ensaios, que não aspiravam ser mais do que meros preliminares de apalpação de pulso, num dos mais célebres métodos empíricos de aferição de energias e tendências, esgotaram-se num par de esboços, dando lugar ao golo, que já se fizera anunciar, em menos de cinco minutos.

Numa equipa harmoniosa e com uma configuração marcadamente ofensiva, apesar de privada de elementos preponderantes, a elegância de Quaresma, que combinou adiscrição e exuberância num estilo singular, marcou o ritmo, acrescentando-lhe pormenores de requinte que entraram na elaboração de três dos quatro golos conseguidos pelos Dragões em pouco mais de meia hora. A influência de Jorginho e Adriano nos movimentos atacantes foram igualmente óbvios e decisivos na congeminação e na finalização dos lances de três golos.

A ampla vantagem azul e branca ao intervalo permitiu alguma desaceleração na abordagem portista à segunda parte, que, em contrapartida, passava a contar com Anderson no elenco. E da genialidade do brasileiro, que já tinha promovido o frente-a-frente entre Cech e Milojevic com a simplicidade de um passe preciso, nasceu o quinto golo dos campeões.

Desta vez, o próprio Anderson agendou encontro com o guarda-redes do V. Setúbal, num cerebral acesso de virtuosismo. Tocou a bola entre os centrais que lhe saíram ao caminho para a recuperar no local mais improvável e, já esquerda e no interior da área, tocou ao poste mais distante. E enquanto a plateia delirava com novo instante de inspiração, Anderson agradecia tranquilamente, como se aqueles dois toques fossem os mais fáceis que alguma vez desferiu numa bola.


publicado por mdl às 00:17
link do post | Comenta | Adicione aos seus Favoritos

ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

Links " Azuís e Brancos "

Posts recentes

Opps .... o segundo desli...

Suem as camisolas!!!

MAIS UMA VERGONHA!!

Onde está um portista ......

Académica 1 FCPorto 2

Venham mais cinco!!!!!!!!...

Links " Azuís e Brancos "

arquivos

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Julho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Tradução

tags

todas as tags